Sala de Prensa


11
Septiembre 1999
Año II, Vol. 2

WEB PARA PROFESIONALES DE LA COMUNICACION IBEROAMERICANOS

A R T I C U L O S

   
   


Nostradamus, o profeta profanado
que jamais previu o fim do mundo

Ruy Fabiano *

O aspecto mais interessante em torno da profecia de fim do mundo, que tomou conta da mídia mundial nas duas últimas semanas, é que ela jamais existiu. Michel de Nostradamus, o visionário francês do século XVI, jamais a proferiu, tendo levado suas profecias em torno da vida na Terra para além do ano sete mil da era Cristã.

Ora, como poderia prever o fim do mundo e, ao mesmo tempo, continuar a profetizá-lo por mais cinco mil e tantos anos adiante? O mais intrigante, no exame da recente paranóia que se produziu em torno do tema, é que a centúria de Nostradamus, invocada para dar respaldo ao boato, em nenhum momento o menciona, nem mesmo de forma alegórica.

A centúria 10, quadra 72, invocada pelos que anunciaram o fim do mundo, diz o seguinte: "No ano de 1999, sete mês,/do céu virá um grande rei de assustar/ressuscitar o grande rei de Angolmois/ antes e depois de Marte/por boa sorte reinar."

Com o acréscimo de 14 dias ao calendário Juliano, em vigor no tempo de Nostradamus, o sétimo mês, em vez de julho, pode ser agosto, quando, dia 11, ocorreu o último eclipse solar total do milênio.

A associação, no entanto, entre o "grande rei de assustar", que viria no "sete mês", e o eclipse total do sol, já extrapola as centúrias de Nostradamus. Já é por conta de seus exegetas, que freqüentemente erram em suas interpretações.

O "grande rei de Angolmois", segundo alguns intérpretes, seria Gengis Khan, o grande chefe militar, fundador do Império Mongol e conquistador da China, que viveu entre os séculos XII e XIII, o que torna a previsão ainda mais hermética e distante dos dias atuais.

Os versos dessa centúria, como, de resto, todas as previsões do médico Michel de Notredame, nascido em Saint-Rémy de Provence, França, em 1503, prestam-se às mais variadas interpretações. E é fácil entender. Temeroso de levantar suspeitas de heresia junto à Inquisição, Nostradamus, de família judaica, convertida compulsoriamente ao catocilismo (o que o tornava sob suspeita permanente), optou por uma linguagem cifrada, arcaica mesmo para os padrões da época. O vocabulário mistura termos franceses, provençais, romanos, gregos, latinos e de outras línguas derivadas.

Há muitos versos que são simplesmente ininteligíveis, o que facilita sua aplicação aos mais diversos contextos. Muitas vezes, ao longo da história, Nostradamus foi usado para fins de propaganda política. Em 1694, na França, a facção contrária ao cardeal Mazarin, eminência parda do rei Luiz XIII, serviu-se de quadras de Nostradamus para prever (e prover) sua queda e exílio.

Na Segunda Guerra Mundial, aliados e nazistas serviram-se fartamente do vidente provençal, falsificando-o com a mesma sem-cerimônia. O astrólogo suíço Karl Ernst Krafft, contratado pelo Departamento de Propaganda nazista, em Berlim, interpretou quadras de Nostradamus de acordo com os interesses estratégicos das forças do Reich. Os nazistas queriam desobstruir as estradas para Paris, quando invadissem a França, vindos de Sédan.

Krafft então fez circular panfletos, com quadras alteradas, indicando que, segundo Nostradamus, o sudeste da França não seria perturbado pela guerra. Deu certo: ato contínuo, civis e refugiados correram para o sul, esvaziando as estradas para os Portos do Canal.

Os aliados deram o troco. A inteligência britânica conseguiu que os aviões da Real Força Áerea jogassem sobre alguns países ocupados pelos nazistas folhetos com quadras de Nostradamus prevendo a derrota alemã. Esse expediente, segundo avaliação na época, serviu para manter acesa a chama da resistência nesses países.

OBRA PERDIDA

A partir de 1551, Nostradamus publicou anualmente almanaques e livros de predições, dos quais pouca coisa chegou ao nosso tempo. Tratavam de acontecimentos locais, ligados a agricultura, meteorologia e coisas afins. O sucesso dessas publicações fez com que surgissem numerosas outras, similares, muitas falsamente a ele atribuídas, o que contribuiu para desgastá-lo perante o público.

As profecias que chegaram aos dias de hoje e o tornaram notável através dos séculos foram publicadas em livro em 1555: "As Profecias de Michel de Nostradamus". O que o notabilizou em seu tempo foi uma profecia importante cuja concretização pôde testemunhar em carne e osso. Previu ¾ e publicou essa previsão em 1554 ¾ que o rei Henrique II, da França, seria morto num torneio. A lança do adversário perfuraria seu olho através do elmo. A profecia consumou-se em 1559.


A reprise do
fim do mundo

Flamínio Araripe *

Devido ao sucesso de marketing, e à grande repercussão na imprensa, o fim do mundo do dia 11 de agosto vai ser reprisado no dia 31 de dezembro. Mais uma vez, as obscuras centúrias de Nostradamus vão ser tiradas das estantes, e uma legião de profetas de ocasião alimentará a pauta da mídia nas vésperas do evento.

Assim, não vai faltar assunto na fila de espera do cabeleireiro. O rádio, a televisão e os jornais vão alimentar a fofoca do dia na fila do banco, no elevador, nos escritórios.

A fofoca se espalha de boca em boca, e logo vai atingir toda a sociedade, com ajuda do seu principal aliado, os meios de comunicação. Alguém disse que é função da imprensa publicar noticias de interesse social?

Os jornais vivem acostumados a noticiar as coisas que acontecem do lado de cá, do mundo dos objetos, das coisas materiais. Com a pauta do fim do mundo, aproveitam para uma incursão ao lado de lá, das coisas imateriais.

O primeiro fim do mundo tinha no eclipse uma imagem. O segundo fim do mundo terá uma data. E associado à data, o momentoso acontecimento do Bug do Milênio, a falha dos computadores programados para a leitura do ano no espaço de dois dígitos.

A quem cabe na redação a cobertura do fim do mundo? Fica com a editoria de Ciência, quando existe? Vai para a equipe de reportagem local, que cobre Cidades? Ou vai pra o caderno de Cultura e Entretenimento? Pode, afirnal, ficar na mão de qualquer um, que vai misturar ainda mais a onda de emocionalismo da opinião pública.

Não é preciso ser esotérico de carteirinha para saber que os místicos identificam uma Nova Era na época em que vivemos. Há um renascer na espiritualidade, um sopro que renova as religiões tradicionais, e tem lotado auditórios para ouvir seus líderes. Há mudanças no estilo de vida, com novos hábitos de consumo associados à Nova Era.

Como a imprensa quase nada acompanha esses campo da imaterialidade, e são escassos os repórteres especializados em esoterismo ou religiões, o assunto acaba na mão de qualquer um. O despreparo é o caminho mais fácil do tratamento sensacionalista da matéria.

É preciso alguém nas redações com sensibilidade para falar com o coração da massa nestes assuntos de fim de século, sem misticismo, sem explorar a crendice popular. Alguém com cultura e coragem para dizer que Nostradamus, pintado como o profeta do fim do mundo, não tem nada a ver com a história.

O artigo publicado a seguir por Sala de Prensa, de Ruy Fabiano, jornalista político de Brasília, dado a entender das coisas do espírito, traz luz a esse assunto. Quando é mesmo que o mundo vai acabar de novo?


* Flamínio Araripe es periodista en Fortaleza, al noreste de Brasil, y escribe sobre ciencia y tecnología, informática y economía. Miembro del Consejo Editorial de Sala de Prensa y colaborador de Gazeta Mercantil.

A rainha Catarina de Médicis, impressionada, manda chamá-lo a Paris e, desde então, torna-se sua protetora, preservando-o das suspeitas da Inquisição.

Voltando ao fim do mundo. O que Nostradamus previu para 1999 foi o início de guerras e turbulências, que se estenderiam até o ano de 2002, envolvendo toda a humanidade e provocando destruição e morte em larga escala. Não, porém, o fim do mundo.

Essas guerras (que os exegetas classificam de Terceira Guerra Mundial, muito embora essa terminologia inexista em Nostradamus), instauram o caos na Terra, submetendo a ordem social e política a profundas transformações, que se estendem até o ano de 2031.

O epicentro dos conflitos é sempre a Europa, que será invadida pelos povos muçulmanos e terá suas principais capitais ¾ Paris, Roma, Londres ¾ destruídas. Como se não bastasse, até o ano 2162, o planeta estará submetido a desequilíbrios ambientais gravíssimos, atingido por ondas de calor, tendo sempre por pano de fundo guerras generalizadas.

A batalha final entre o Bem e o Mal ¾ o Armagedon bíblico ¾ está previsto apenas para o ano de 2360, quando o planeta ficaria imerso em trevas e coberto por "uma poeira", que alguns exegetas acreditam radioativa. Somente a partir de 2400, diz Nostradamus, a humanidade se reencontra com a Luz e passa a viver sob os auspícios de uma nova era, de paz e prosperidade.

OS MÍSTICOS

Não se deve cobrar dos místicos a responsabilidade pelos boatos e distorções a respeito do fim do mundo. Não foram eles que os propagaram. Ao contrário, consideram-nos nocivos ao equilíbrio das pessoas. As inúmeras seitas e escolas iniciáticas mundo afora sustentam, em sua maciça maioria, que o eclipse solar é o marco de um novo momento para a humanidade.

Não é o fim, mas o começo de um tempo novo, mais voltado para a espiritualidade, para o resgate dos valores ligados à fraternidade, muito embora seus efeitos não se façam notar do dia para a noite.

O que talvez tenha deflagrado o surto de paranóia foram lances isolados como o do costureiro espanhol radicado em Paris, Paco Rabanne. Ele convocou a imprensa para anunciar que estava fechando seu famoso atelier parisiense, um dos mais concorridos do planeta, em função de sonhos premonitórios sucessivos, relacionados com o eclipse e a profecia de Nostradamus.

Segundo seus sonhos, a França seria destruída. Outras seitas embarcaram nessa. Algumas literalmente, como é o caso da Energia Universal e Humana, na cidade espanhola de Aleixar, cujo líder Luong Mihn Dang construiu uma versão contemporânea da Arca de Noé, em cimento armado, prevendo novo dilúvio sobre a Terra.

Houve também os que, sem qualquer respaldo místico ou doutrinário, baseados apenas no noticiário da mídia ou em alguns goles a mais de aguardente, deram conseqüência prática aos boatos. É o caso do delegado Jorge Germiniano, da cadeia pública de Picuí, interior da Paraíba, que soltou os presos em nome do Apocalipse, e acabou demitido. E também do secretário de Administração do Piauí, Magno Pires, que decretou ponto facultativo para esperar o fim do mundo.

Malucos e excêntricos sempre existiram. E foi o ponto de vista deles que, neste momento, por razões de cunho apelativo, mais interessou à mídia nacional e mundial. Com isso, deixou de ser conhecido e aprofundado o ponto de vista dos místicos mais conseqüentes. E o que eles dizem? Que, além do eclipse solar, houve o alinhamento de quatro planetas, deixando a Terra no centro de uma cruz cósmica. Na horizontal, Saturno se opõe a Marte; na vertical, Urano fica diante do Sol e da Lua.

Os astrólogos identificam nessa conjunção um momento importante de exacerbação das emoções e aguçamento da sensibilidade, pela influência mais intensa que a Lua passa a exercer sobre a Terra. Isso, em tese, favorece a proliferação de conflitos. Daí a previsão de guerras, em consonância com as previsões de Nostraedamus. Mas o alinhamento favorece também a religiosidade das pessoas, o que dá o contraponto e abre horizontes de otimismo e confiança.

Para quem acredita, é isso aí. Para quem não acredita, trata-se de um fenômeno puramente físico. Em qualquer das duas hipóteses, nada a ver com o fim do mundo ¾ e menos ainda com os versos enigmáticos do sempre profanado e jamais compreendido profeta Michel de Nostradamus.


* Ruy Fabiano es colaborador de Agência Estado, el despacho de noticias más grande de Brasil, y en los últimos años fue columnista de Correio Braziliense. Es un estudioso de temas espirituales, habiendo cursado Teología en el monasterio de São Bento, Rio de Janeiro. Esta es su primera colaboración para Sala de Prensa.


Tus comentarios, sugerencias y aportaciones
nos permitirán seguir construyendo este sitio.
¡Colabora!



| Volver a la página principal de SdP |
|
Acerca de SdP | Periodismo de Investigación | Etica y Deontología |
|
Derecho de la Información | Fuentes de Investigación |
|
Política y gobierno | Comunicación Social | Economía y Finanzas |
|
Academia | Fotoperiodismo | Medios en Línea | Bibliotecas |
|
Espacio del Usuario | Alta en SdP |
|
SdP: Tu página de inicio | Vínculos a SdP | Informes |
|
Indice de Artículos | Indice de Autores |
|
Búsqueda en Sala de Prensa |
|
Fotoblog |

© Sala de Prensa 1997 - 2008


IMPORTANTE: Todos los materiales que aparecen en Sala de Prensa están protegidos por las leyes del Copyright.

SdP no sería posible sin la colaboración de una serie de profesionales y académicos que generosamente nos han enviado artículos, ponencias y ensayos, o bien han autorizado la reproducción de sus textos; algunos de los cuales son traducciones libres. Por supuesto, SdP respeta en todo momento las leyes de propiedad intelectual, y en estas páginas aparecen detallados los datos relativos al copyright -si lo hubiera-, independientemente del copyright propio de todo el material de Sala de Prensa. Prohibida la reproducción total o parcial de los contenidos de Sala de Prensa sin la autorización expresa del Consejo Editorial. Los textos firmados son responsabilidad de su autor y no reflejan necesariamente el criterio institucional de SdP. Para la reproducción de material con copyright propio es necesaria, además, la autorización del autor y/o editor original.