Sala de Prensa


26
Diciembre 2000
Año III, Vol. 2

WEB PARA PROFESIONALES DE LA COMUNICACION IBEROAMERICANOS

A R T I C U L O S

   
   


Imprensa em Debate

Último artigo de Aloysio Biondi (1936), falecido no 21-7-2000, para a revista Bundas nº 56, de 11.07.2000, da qual era editor de economia. *

Aloysio Biondi é um icone do periodismo economico brasileiro. Enquanto a imprensa no Brasil delirava encantada com as maravilhas do neo-liberalismo, ele alertava para as falhas - e são tantas - do sistema. Mostrava, com números, como as privatizações foram uma entrega de bandeja das estatais para capitais privados. É esta indignação que deixa em seu novo artigo (para não dizer o último). Uma mensagem às novas gerações, um recado para mexer na consciência (como anda?) dos jornalistas pequenos, sócios minoritários da farra dos vencedores.

Caça às bruxas, uma pinóia

Aloysio Biondi

Pela culatra. Há bem uns cinco anos, pega muito bem, entre os new journalists, fazer charme (e toca a faturar), representar o gênero do ''desencanto com o jornalismo'' (e toca a comprar mansão), dizer que ''quem manda é a empresa jornalística'' (e toca a faturar), ''o jornalista é impotente, só obedece'' (e toca a comprar carrão), ''nossa profissão é uma merda'' )e toca a freqüentar restaurantes de luxo, com assessores de governo).

O conformismo, a falta de indignação, a cumplicidade com o governo e os interesses econômicos foram a mensagem constante que, nos últimos cinco anos, os adeptos do ''novo jornalismo'' transmitiram às gerações de jovens que escolheram a imprensa como seu caminho na vida. Desalentados, os jovens se curvavam à pretensa ''voz da experiência''. Marginalizados, os mais velhos se dobravam ao ''realismo dos chefes''.

De repente, nas últimas semanas, esse panorama sombrio de submissão, responsável em grande parte pelos desmandos do governo FHC, foi riscado por alguns clarões. O estopim, ou a gota d'água, foi a sórdida manipulação do noticiário contra o MST e, em São Paulo, contra os professores e funcionários grevistas.

Há bem cinco anos, jovens repórteres e estudantes de jornalismo repetiam a mesma toada conformista, desalentada, ouvida dos mais velhos. De repente, pela primeira vez em cinco anos, professores viram alunos ressuscitarem frases, tomarem atitudes que eram freqüentes nos tempos do old journalism, pré-FHC: ''essas matérias são nojentas... eu não assino uma coisa dessas nem que me demitam...'' Pela primeira vez em cinco anos, o não-conformismo, a indignação de volta.

Pela culatra. Foi assim o tiro de canhão preparado no Planalto contra o MST, ou no Palácio dos Bandeirantes contra os professores e funcionários grevistas de São Paulo. A reação não se limitou aos jovens. A indignação e o não-conformismo descobriram o caminho da Internet. Mensagens narrando histórias sujas de bastidores sobre a manipulação contra o MST ou episódios equivalentes passaram a circular via Internet, dando nome aos bois, ou melhor, aos jornalistas carneiros do rebanho do Planalto.

Cinco anos em que os discordantes se dobraram sob o aparente triunfo dos adeptos do new journalism, contaminados eles próprios por uma sensação de impotência, ''dinossauros'' soterrados por uma avalanche esmagadora de lagartixas.

Como era previsível, esse renascer da imprensa já está dando origem a uma contra-ofensiva dos ''lagartixas'', temerosos de um movimento organizado, capaz de mobilizar as redações, unindo estudantes e ''dinossauros'' (cuja idade não é medida pela data de nascimento, mas sim pelos seus padrões ditos antiquados de comportamento ético e crença no jornalismo).

O argumento mais utilizado nessa contra-ofensiva vem edulcorado com pretensas preocupações democráticas, afirmando-se que esse processo de denúncia de manipulação do material jornalístico, a serviço do governo e/ou grupos econômicos, traz o risco de transformar-se em uma ''caça às bruxas'', com eventuais injustiças contra ''colegas''.

Defende-se a permanência do silêncio coletivo dos últimos cinco anos.

Defende-se o conformismo dos jovens castrados e dos ''velhos profissionais'' aviltados. Defende-se a manipulação da opinião pública, as manchetes distorcidas, as notícias escondidas, o abafamento dos escândalos que só vêm à tona quando (e enquanto, e enquanto) interessa a grupos econômicos ''deixados de lado'' nos negócios da China, a ocultação dos prejuízos de 13 bilhões de reais do Banco Central e os 15 bilhões despejados no Banco Nacional, a vergonhosa entrega dos trilhões de reais do petróleo brasileiro a multinacionais.
Defende-se o silêncio sobe o genocídio, o assassinato em massa que vem sendo cometido em nome do ajuste fiscal. Defende-se o silêncio enquanto a grande imprensa é cúmplice do saque sem precedentes que o Brasil vem sofrendo.

''Caça às bruxas''? ''Colegas''??? O que é isso, cara pálida?


* Material proporcionado a SdP por Paulo Augusto Queiroz da Silva . La breve presentación es de Flamínio Araripe.


Tus comentarios, sugerencias y aportaciones
nos permitirán seguir construyendo este sitio.
¡Colabora!



| Volver a la página principal de SdP |
|
Acerca de SdP | Periodismo de Investigación | Etica y Deontología |
|
Derecho de la Información | Fuentes de Investigación |
|
Política y gobierno | Comunicación Social | Economía y Finanzas |
|
Academia | Fotoperiodismo | Medios en Línea | Bibliotecas |
|
Espacio del Usuario | Alta en SdP |
|
SdP: Tu página de inicio | Vínculos a SdP | Informes |
|
Indice de Artículos | Indice de Autores |
|
Búsqueda en Sala de Prensa |
|
Fotoblog |

© Sala de Prensa 1997 - 2008


IMPORTANTE: Todos los materiales que aparecen en Sala de Prensa están protegidos por las leyes del Copyright.

SdP no sería posible sin la colaboración de una serie de profesionales y académicos que generosamente nos han enviado artículos, ponencias y ensayos, o bien han autorizado la reproducción de sus textos; algunos de los cuales son traducciones libres. Por supuesto, SdP respeta en todo momento las leyes de propiedad intelectual, y en estas páginas aparecen detallados los datos relativos al copyright -si lo hubiera-, independientemente del copyright propio de todo el material de Sala de Prensa. Prohibida la reproducción total o parcial de los contenidos de Sala de Prensa sin la autorización expresa del Consejo Editorial. Los textos firmados son responsabilidad de su autor y no reflejan necesariamente el criterio institucional de SdP. Para la reproducción de material con copyright propio es necesaria, además, la autorización del autor y/o editor original.