Sala de Prensa


22
Agosto 2000
Año III, Vol. 2

WEB PARA PROFESIONALES DE LA COMUNICACION IBEROAMERICANOS

A R T I C U L O S

   
   


A antigüidade greco-romana, o lead
e a contemporânea narrativa jornalística

Francisco José Karam *

A origem do lead, ao contrário do que consideram alguns manuais ou discursos, não é responsabilidade exclusiva do jornalismo norte-americano ou inglês. Não surge do acaso ou por um simples arbítrio na articulação do discurso. Certamente, a linguagem jornalística valeu-se - e aí entra a tradição inglesa e norte-americana do discurso jornalístico- da tradição greco-romana em relação ao uso das palavras e ao discurso claro e convincente.

Oitenta anos antes da era cristã

Em Roma, filósofos retomam a tradição grega da Retórica, entre eles o exímio orador Marco Túlio Cícero. Os retores, entre os quais Platão, Aristóteles e Protágoras (cerca de 400 anos antes da era cristã), na Grécia Antiga, já haviam consolidado a idéia de que o discurso deveria ser bem articulado e acessível às massas. A técnica (technikós) já representava a habilidade em fazer, a arte de fazer e, hoje, situa-se como o "conjunto de regras práticas ou procedimentos adotados em um ofício de modo a se obter os resultados visados". A persuasão, que integra o processo de argumentação retórica, já envolvia um modelo de organização do discurso que expunha os fatos, os demonstrava e concluía. No discurso, para os filósofos gregos e, posteriormente, para os filósofos, oradores e juristas romanos antigos, havia já três qualidades essenciais: a brevidade, a clareza e a verossimilhança (brevis, dilucida e verisimilis ou probabilis).

Para que a exposição fosse completa exigia-se, no entanto, alguns elementos essenciais. Cícero, em De Inventione, relacionou os aspectos essenciais para que o texto se tornasse completo. Para o famoso orador romano, era preciso responder as perguntas quem? (quis / persona) o quê? (quid / factum) onde? (ubi / locus) como? (quemadmodum / modus) quando?(quando / tempus) com que meios ou instrumentos (quibus adminiculis / facultas) e por quê (cur / causa). As proposições de Cícero, originadas na Retórica da Antigüidade Grega, foram paradigma da exposição de acontecimentos nos dois milênios seguintes. Em diversos momentos, ao longo de tal período, as circunstâncias do fato tiveram grande relevância na constituição de uma ética da palavra, sendo exemplarmente utilizada no discurso jurídico e na argumentação filosófica. Com isso, buscava-se convencer para a validade moral de um fato e sobre ele emitia-se juízos de valor.

A separação entre o sapere e o dicere (o conhecimento separado de sua representação verbal) representou uma ruptura negativa na ordenação discursiva e no conhecimento público do entorno social, culpa em parte atribuída a filosófos afastados da intervenção social. Eles separaram res de verba, a coisa de sua representação. A recuperação da retórica contemporânea em sua dimensão cognitiva permite também separar o discurso retórico sem bases factuais (a plena subjetividade) do que tem bases factuais (que inclui elementos de subjetividade mas objetiva-se , culmina em determinados acontecimentos, considerados fatos, e, no discurso jornalístico, fatos jornalísticos). Assim, a proposição retórica deve atuar, no jornalismo, por verossimilhança, recorrendo à arte de dizer, que desde os gregos antigos cresce e povoa a história.

A clareza, já em Aristóteles, e portanto antes mesmo de Cícero, deveria buscar concentrar e resumir as coisas, no sentido de torná-la compreensível.

Renato Barilli lembra que a retórica envolve o docere (transmissão de noções intelectuais), o movere (atingir os sentimentos) e o delectare (manter viva a atenção do auditório, sem se deixar dominar pelo aborrecimento, pela indiferença e pela distração). Por isso, a linguagem deve ter um caráter claramente acessível, já que "se dirige não a mentes superiores, a espíritos puros, mas a homens de carne e osso, sujeitos portanto ao cansaço e ao tédio, vulneráveis a raciocínios demasiado difíceis".

Na imediaticidade em que atua o jornalismo, os elementos retóricos da antigüidade greco-romana constituem eixos fundamentais de seu discurso. É com esta perspectiva, baseada na arte de dizer, resultado da habilidade em fazer, que se estrutura o discurso jornalístico. A escola norte-americana e inglesa de jornalismo tomou o que havia de melhor na arte de dizer para imprimir o ritmo da lógica informativa específica do jornalismo na segunda metade do século passado e durante o século 20. Por isso, as atribuições de que a pressa para ler, o telégrafo que poderia cair, o tempo disponível de leitura - fatores da incipiente modernidade e do assoberbado ritmo atual - , quando consideradas razões primeiras ou exclusivas para o surgimento e permanência do lead, desmentem-se pela necessidade de uma arte de dizer e convencer, no que gregos e romanos foram mestres.

Profissionais e pesquisadores da área, quando tratam do lead e das narrativas, quando falam de linguagens e ideologia, poderiam perfeitamente buscar, na antigüidade greco-romana - e não no que alguns errônea e pejorativamente chamam hoje de "tecnicismo" - , as bases ontológicas do surgimento de sua atividade específica; as bases morais da ética da palavra e da profissão jornalística, mesmo que a sociedade de então, por tempo, cultura, ritmo e demais razões óbvias, sequer pudesse conceber qualquer vestígio futuro do hoje chamado Jornalismo.


* Francisco José Karam e jornalista, Doutor em Comunicação e Semiótica, Professor do Curso de Jornalismo da Universidade Federal de Santa Catarina (Brasil) e autor de Jornalismo, Ética e Liberdade (São Paulo: Summus, 1997). Integra, em Santa Catarina, a comissão do Programa Nacional de Qualidade de Ensino em Jornalismo da Federação Nacional dos Jornalistas do Brasil. Esta es su primera colaboración para Sala de Prensa.


Tus comentarios, sugerencias y aportaciones
nos permitirán seguir construyendo este sitio.
¡Colabora!



| Volver a la página principal de SdP |
|
Acerca de SdP | Periodismo de Investigación | Etica y Deontología |
|
Derecho de la Información | Fuentes de Investigación |
|
Política y gobierno | Comunicación Social | Economía y Finanzas |
|
Academia | Fotoperiodismo | Medios en Línea | Bibliotecas |
|
Espacio del Usuario | Alta en SdP |
|
SdP: Tu página de inicio | Vínculos a SdP | Informes |
|
Indice de Artículos | Indice de Autores |
|
Búsqueda en Sala de Prensa |
|
Fotoblog |

© Sala de Prensa 1997 - 2008


IMPORTANTE: Todos los materiales que aparecen en Sala de Prensa están protegidos por las leyes del Copyright.

SdP no sería posible sin la colaboración de una serie de profesionales y académicos que generosamente nos han enviado artículos, ponencias y ensayos, o bien han autorizado la reproducción de sus textos; algunos de los cuales son traducciones libres. Por supuesto, SdP respeta en todo momento las leyes de propiedad intelectual, y en estas páginas aparecen detallados los datos relativos al copyright -si lo hubiera-, independientemente del copyright propio de todo el material de Sala de Prensa. Prohibida la reproducción total o parcial de los contenidos de Sala de Prensa sin la autorización expresa del Consejo Editorial. Los textos firmados son responsabilidad de su autor y no reflejan necesariamente el criterio institucional de SdP. Para la reproducción de material con copyright propio es necesaria, además, la autorización del autor y/o editor original.